Categories
Planos de Saúde

Simulador on line de planos de saúde e odontológicos

Você sabe como funciona o simulador on line de planos de saúde e odontológicos? Se você já tentou contratar um plano de saúde , sabe que há muitas opções diferentes disponíveis no mercado. Além de existirem várias operadoras em atividade, cada empresa conta com várias alternativas de planos para os clientes marcadosem pelos serviços que se adaptam às suas necessidades.

No entanto, uma grande quantidade de opções pode também dificultar o processo de escolha, uma vez que, com frequência os consumidores não compreendem bem os serviços de que precisa, mas os fatores de uma aproximação de valores para fazer o seu planejamento financeiro e estudar como possibilidades que melhor se encaixam ao seu orçamento. Para auxiliar neste processo, foi criada uma ferramenta que permite a pesquisa de planos de acordo com determinados critérios: o simulador on line de planos de saúde e odontológicos.

Neste artigo, vamos explicar como funciona este recurso e as variáveis ​​que você pode escolher. Veja a seguir o que é um simulador na linha de planos de saúde e odontológicos e descubra como usar esta ferramenta a seu favor.

O que é um simulador na linha de planos de saúde e odontológicos?

Um simulador on line de planos de saúde e odontológicos é uma ferramenta que permite visualizar os planos disponíveis no mercado, assim como a sua base de preço. A própria ANS, o órgão responsável por regular as operadoras de planos de saúde, disponibiliza um em seu site. Com um simulador, é possível verificar os serviços oferecidos por diversas operadoras diferentes, comparando as faixas de valores e as coberturas entre os diferentes planos.

Para usar um simulador, será solicitado que você preencha alguns critérios, para que o sistema possa pesquisar os planos que se encaixam nos aspectos que você procura. Os parâmetros de pesquisa podem variar de um simulador para outro, mas, no geral, os critérios mais relevantes e requeridos em diferentes simuladores são o local de contratação, a data de nascimento ou faixa etária, e o tipo de plano a ser contratado. Vamos explicar um pouco mais a respeito de cada um deles a seguir.

Local de contratação

O local de contratação é um dos critérios mais relevantes em u simulador na linha de planos de saúde e odontológicos. Definição às variações de custos entre cidades e estados diferentes, uma mesma operadora pode ter preços diversos para planos semelhantes ao longo do território nacional. Além disso, existem operadoras que não estendem sua atuação a todo o país, assim como empresas que atuam apenas regionalmente. Por isso, é importante levar em consideração o critério da localização geográfica da contratação, uma vez que pode impactar diretamente sobre os preços dos serviços e os planos ofertados em cada área.

Data de nascimento ou faixa etária

Outro aspecto importante para o simulador on line de planos de saúde e odontológicos é a idade do contratante e dependente, caso haja algum. Segundo a Lei dos Planos de Saúde e as normativas da ANS, os preços dos planos devem sofrer ajustes de acordo com a faixa etária do beneficiário, conforme as 10 faixas estipuladas em exigentes. Assim, um mesmo plano e em uma mesma localidade terá preços diferentes para um beneficiário de 30 anos e um de 57, por exemplo. Da mesma forma, uma pessoa de 30 anos com um dependente de 8 anos irá pagar um valor diferente de um beneficiário com 30 anos com um dependente de 28.

Tipo de plano

Por fim, saber o tipo de plano também é relevante na hora de consultar o simulador na linha de planos de saúde e odontológicos. Um plano individual, contratado por uma pessoa física para si mesma, terá valores diferentes de um plano coletivo ou empresarial, em que são seguradas várias pessoas ao mesmo tempo. Os contratos em massa oferecem preços mais competitivos.

Também existe o plano familiar. Em teoria, ele é muito semelhante ao plano individual: é contratado por uma pessoa física para sua família, adicionando dependente ao contrato do beneficiário contratante. No entanto, ele também oferece pequenos descontos em relação ao contrato individual: um plano familiar para duas pessoas de 30 anos tende a sair mais em conta do que dois planos individuais para a mesma faixa etária.

Você já conhecia o simulador on line de planos de saúde e odontológicos? Aqui na Compara nós podemos ajudar você a encontrar o melhor plano para sua família ou o seu negócio! Visite nosso site e entre em contato com a gente !

Categories
Planos de Saúde

Direito do consumidor: o guia ANS de planos de saúde

Ao contratar um plano de saúde, é muito importante conhecer os seus direitos e as obrigações da operadora para garantir que tudo ocorra dentro da regularidade. Para auxiliar os consumidores, a Agência Nacional de Saúde Suplementar lançou o Guia ANS de Planos de Saúde.

Nele, constam vários dados a respeito dos planos disponíveis em todo o território nacional, assim como foram disponibilizadas muitas informações a respeito dos direitos do consumidor e outros materiais relevantes ao público. Sendo que a ANS é o órgão responsável por regulamentar todas as operadoras e processos envolvendo planos de saúde no país, sempre verifique se a empresa está registrada na Agência antes de realizar a contratação. Esta consulta pode ser feita no próprio site da ANS, e garante que a operadora atua de acordo com as regras do órgão.

Mas o que a ANS garante que deve ser prestado ao consumidor pela operadora? Quais são os seus direitos em relação aos atendimentos, prazos de serviço e aos planos oferecidos? O que o guia ANS de planos de saúde estipula sobre as incumbências da operadora?

Neste artigo, vamos falar sobre os direitos do consumidor de planos de saúde. Veja a seguir o que o Guia ANS de planos de saúde determina sobre o assunto.

O que diz o guia ANS de planos de saúde sobre a cobertura de serviços?

A ANS define uma lista de consultas, exames e tratamentos que os planos são obrigados a oferecer, de acordo com cada tipo de plano de saúde – ambulatorial, hospitalar com ou sem obstetrícia, referência ou odontológico. No site da ANS, você pode consultar se um procedimento faz parte da cobertura mínima obrigatória, e conseguir mais informações sobre o tema.

Quanto à internação hospitalar, nem todos os planos cobrem este critério. Além disso, cada plano tem uma rede credenciada de hospitais, laboratórios, médicos e clínicas que oferecem serviços para os seus beneficiários, e o plano só pode substituir um hospital credenciado por outro após comunicar esta mudança ao consumidor com 30 dias de antecedência. O guia ANS de planos de saúde também explica que é obrigatória a cobertura de próteses, órteses e acessórios que necessitam de procedimento cirúrgico para serem colocados ou retirados, excluindo o fornecimento de próteses e órteses não implantáveis, como óculos e coletes ortopédicos.

Quais são os prazos máximos de atendimento?

Após o período de carência, o guia ANS de planos de saúde determina que o beneficiário terá direito ao atendimento dentro de prazos máximos estipulados:

  • Consulta básica de pediatria, clínica médica, cirurgia geral, ginecologia e obstetrícia: 7 dias
  • Consulta nas demais especialidades: 14 dias
  • Consulta com fonoaudiólogo, nutricionista, psicólogo, terapeuta ocupacional ou fisioterapeuta: 10 dias
  • Consulta e procedimentos com cirurgião-dentista: 7 dias
  • Serviços de diagnóstico por laboratório de análises clínicas em regime ambulatorial: 3 dias
  • Procedimentos de alta complexidade (PAC): 21 dias
  • Urgência e emergência: imediato

Estes prazos valem para atendimento por um dos profissionais ou estabelecimentos da rede conveniada ao plano, e não para atendimento por um profissional ou local específico de preferência do consumidor. Para cumprir o prazo necessário, a operadora poderá indicar um profissional ou estabelecimento mesmo fora da rede conveniada do plano e custear o atendimento, ou garantir o atendimento em outro município, tendo, inclusive, que transportar o beneficiário ou reembolsá-lo em algumas situações, caso não haja disponibilidade na cidade de origem.

Limites de exigência de tempo de carência

Segundo o guia ANS de planos de saúde, a carência é o tempo que você terá que esperar para ser atendido pelo plano de saúde em um determinado procedimento. Em alguns casos, há isenção de carência para planos coletivos e empresariais. Porém, fora as exceções, é praxe ser aplicada carência nos contratos. Entretanto, existem limites máximos para a carência requerida pelas operadoras:

  • Casos de urgência (acidentes pessoais ou complicações no processo gestacional) e emergência (risco imediato à vida ou lesões irreparáveis): 24 horas
  • Partos a termo, excluídos os partos prematuros e decorrentes de complicações no processo gestacional: 300 dias
  • Demais situações: 180 dias

Portabilidade, migração e adaptação de planos

A portabilidade permite contratar um plano de saúde, da mesma operadora ou de uma operadora diferente, sem necessidade de cumprir novos períodos de carência ou de cobertura parcial temporária exigíveis – direito garantido a todos os beneficiários de planos de saúde contratados a partir de 1999. A migração, por sua vez, é a troca de um plano de saúde contratado até 1º de janeiro de 1999 por outro plano de saúde, vendido pela mesma operadora, que já esteja de acordo com Lei nº 9.656 de 1998.

Por fim, o guia ANS de planos de saúde explica que um plano de saúde adaptado é aquele que foi contratado até 1º de janeiro de 1999 e que teve algumas características alteradas para se adaptar à Lei nº 9.656/1998. Neste caso, o plano original não regulamentado é mantido, mas o contrato é editado para estar de acordo com a Lei dos Planos de Saúde.

Você já conhecia os direitos do consumidor dos planos de saúde? Em caso de dúvidas a respeito da sua operadora ou dos serviços prestados, entre em contato com a Compara! Contamos com um time de especialistas preparado para ajudá-lo!

Categories
Planos de Saúde

O que é parcela não dedutível no plano de saúde?

O plano de saúde é um gasto que pode ser deduzido da base do seu cálculo do Imposto de Renda. No entanto, existem várias despesas relacionadas a tratamentos de saúde que não podem ser incluídas neste desconto. Afinal, o que é parcela não dedutível no plano de saúde?

Declarar o Imposto de Renda é sempre uma dor de cabeça. Apesar de existirem vários benefícios e deduções que podem diminuir o valor total do imposto a ser pago, é muito comum que as pessoas não utilizem estes recursos por não entenderem o que pode ou não ser deduzido. Por medo de realizarem a declaração de forma errônea, acabam arcando com o valor da despesa sem receber a restituição a que têm direito.

Para ajudar a elucidar um pouco os valores dedutíveis e não dedutíveis dos planos de saúde, preparamos este artigo com algumas informações básicas de como funciona estas questões do IR. Veja a seguir o que é parcela não dedutível no plano de saúde, e descubra o que pode ou não ser deduzido do seu Imposto de Renda.

O que são consideradas despesas médicas pela receita?

Para entender o que é parcela não dedutível no plano de saúde, vamos primeiro definir o que são consideradas despesas médicas pela receita. O contribuinte tem direito a deduzir valores gastos com pagamentos realizados a médicos de qualquer especialidade, psicólogos, terapeutas, dentistas e similares, assim como despesas com exames laboratoriais, serviços radiológicos, próteses ortopédicas ou dentárias e hospitais.

Basicamente, qualquer gasto com a saúde pode ser deduzido do valor final do Imposto de Renda – contanto que você tenha o recibo deste pagamento, que deve ser guardado por 5 anos para caso de a Receita pedir comprovação do gasto. No entanto, existem algumas coisas que não são consideradas despesas médicas e, por isso, é importante saber o que é parcela não dedutível no plano de saúde para evitar erros. Vamos ver um pouco mais a respeito disso a seguir.

O que é parcela não dedutível no plano de saúde?

Na ficha de pagamentos efetuados, do Imposto de Renda, podem ser adicionadas parcelas não dedutíveis ou de reembolso comprovado. As parcelas não dedutíveis são os gastos que não têm dedução, ou excedentes de despesas dedutíveis, enquanto o valor reembolsado é o pagamento que um terceiro pode fazer ao contribuinte como uma forma de compensação financeira.

Na verdade, entender o que é parcela não dedutível no plano de saúde é mais simples do que parece. Enquanto o gasto das despesas médicas pode ser deduzido, existem três casos principais em que ocorrem as parcelas não dedutíveis no plano de saúde.

  1. Pagamento de plano de saúde de não dependente

Se houver despesas médias ou hospitalares que não são relativas a ele ou a seus dependentes do plano de saúde, não pode ser realizada a dedução.

  1. Gastos médicos reembolsados pelo plano de saúde

No caso de haver despesas médicas, odontológicas ou hospitalares que foram reembolsadas pelo próprio plano de saúde, não é possível deduzir estes valores do Imposto de Renda.

  1. Despesas médicas reembolsadas pelo empregador sem recibo

Se o contribuinte arcar com o pagamento de despesas médicas e receber reembolso do seu empregador, mas não reter o recibo dos gastos, também não é possível efetuar a dedução. Do contrário, é possível receber dedução pela parcela do valor que foi paga pelo contribuinte, além do reembolso.

Além disso, não podem ser deduzidas quaisquer despesas médicas que não possuírem recibo, remédios, vacinas, viagens ao exterior para tratamento médico e aulas em academia. A compra de óculos ou lentes de contato também não é dedutível, assim como despesas com enfermeiros e massagistas – exceto quando o pagamento destes profissionais fizer parte da conta do hospital. Além disso, gastos com médicos e tratamentos veterinários também não podem ser deduzidos, não importando a natureza da despesa.

Você já conhecia o que é parcela não dedutível no plano de saúde e como isso funciona? Nós da Compara ajudamos você a contratar o seu serviço de saúde com segurança e tranquilidade, para ter todas as garantias de um processo bem feito e de um plano de qualidade. Entre em contato com a gente, vamos encontrar a melhor operadora para você!

Categories
Dicas da Compara Planos de Saúde

Como reclamar de um plano de saúde?

A contratação de um plano de saúde é um investimento importante para garantir o bem-estar e a saúde da família. Entretanto, não é novidade que às vezes ocorrem erros nos serviços e ficam a desejar. Por isso, saber como reclamar de um plano de saúde é importante, para exigir o cumprimento dos serviços contratados e corrigir possíveis erros que podem ocorrer ao longo do tempo.

Apesar disso, grande parte dos beneficiários não sabe como proceder em caso de problemas com o seu plano. Pensando nisso, elaboramos este artigo para explicar como você pode entrar em contato com a seguradora e garantir os seus direitos de consumidor, se ela não prestar o atendimento combinado em contrato.

Veja a seguir como reclamar de um plano de saúde e conheça os 5 passos que você pode seguir para resolver qualquer problema com a sua operadora.

Como reclamar de um plano de saúde: 5 passos

Passo 1: entre em contato com a central de atendimento

O primeiro passo de como reclamar de um plano de saúde é entrar em contato com a própria central de atendimento da operadora. Também conhecido como SAC (serviço de atendimento ao consumidor), é um serviço telefônico gratuito que deve ser oferecido pelas operadoras de saúde aos clientes. Além disso, ele deve funcionar 24 horas por dia.

Segundo o decreto nº6.523/2008, que regula o funcionamento do SAC, todas as reclamações feitas por este meio devem ser resolvidas em até 24 horas. É importante sempre começar o contato por este canal, pois em instâncias futuras pode ser necessário comprovar que houve tentativa de resolução diretamente com a operadora por parte do cliente. Somente em reclamações de urgência pode ser recomendado pular estas etapas e levar o caso diretamente à via judicial.

Passo 2: leve a reclamação à Ouvidoria da operadora

Se a reclamação feita ao SAC não for resolvida satisfatoriamente em 5 dias, o próximo passo de como reclamar de um plano de saúde é ir à Ouvidoria da operadora – a última instância de contato com o consumidor por parte da empresa. Ao receber o contato do cliente, a Ouvidoria deverá investigar a situação e emitir uma resposta oficial por parte da empresa para o consumidor. Para falar com a Ouvidoria, normalmente é necessário ter o protocolo do atendimento por SAC em mãos, para comprovar o atendimento prévio pelo outro canal.

Passo 3: acione a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar)

Se a operadora afirmar que não será resolvido o problema, a próxima etapa é acionar a ANS, órgão responsável por regulamentar o funcionamento das operadoras de saúde. É possível registrar a reclamação pelo Disque ANS 0800 701 9656, que funciona de segunda a sexta das 8h às 20h, por carta, por atendimento eletrônico, ou por atendimento presencial.

A ANS se responsabiliza por encaminhar a queixa à operadora em seguida, fixando o prazo de 5 dias úteis para resolver problemas de queixas assistenciais, e de 10 dias para queixas não assistenciais. As queixas assistenciais são relativas a questões de caráter mais urgente, como negativas na autorização de procedimentos, dificuldade de recebimento de reembolso ou descumprimento de prazos máximos para agendamento de consultas e atendimentos. As não assistenciais são problemas administrativos, como reajustes indevidos ou rescisão unilateral do contrato.

Passo 4: fale com o Procon

A ANS também recomenda que o beneficiário entre em contato com o Procon no processo. Enquanto ela pode pressionar a operadora a cumprir o contrato, o Procon é especializado em ajudar a buscar reparação para os consumidores. Assim, o contato com este órgão pode ser de grande ajuda.

Passo 5: via judicial

Se você fez todos os passos acima e ainda não conseguiu resolver o problema com a operadora, o recurso final de como reclamar de um plano de saúde é levar o caso à justiça. Se a causa envolver valores pequenos, de até 40 salários mínimos, é possível entrar com uma ação no Juizado Especial Cível (JEC), que resolve causas menores sem custo. Se o valor da cobrança exceder 20 salários mínimos, é obrigatória a presença de um advogado. Caso contrário, o advogado é opcional. No entanto, um profissional deve ser consultado se for necessário recorrer da decisão do juiz, por exemplo.

Você já sabia como reclamar de um plano de saúde? Aqui na Compara trabalhamos com as melhores operadoras do país para garantir o melhor atendimento aos nossos clientes. Fale com a gente!

Categories
Planos de Saúde Uncategorized

Quanto é um plano de saúde para pessoas acima dos 30 anos?

Ter um plano de saúde é uma garantia de atendimento médico de qualidade para qualquer situação. No entanto, a contratação de uma operadora implica em um investimento mensal que pode pesar no orçamento. Por isso, saber quanto é um plano de saúde é essencial para organizar as suas finanças e reservar uma parcela da sua receita mensal para contratar um serviço focado na sua saúde.

Entretanto, a resposta para esta pergunta nem sempre é tão simples. Existem várias operadoras em atividade no mercado, com muitas opções de planos disponíveis. Assim, os planos privados possuem grande variedade de preço, um dependente de detalhes como o local de contratação, uma cobertura do plano e a quantidade de serviços inclusos.

Apesar das variáveis, podemos estimar alguns preços de contratação para você usar como base no seu planejamento financeiro. Neste artigo, vamos falar um pouco sobre os preços dos planos de saúde e como funciona o sistema de faixa etária desenvolvido pela ANS.

Confira a seguir quanto é um plano de saúde para pessoas acima dos 30 anos e entenda como o custo dos planos pode variar para esta faixa etária.

Quais são os fatores que influenciam no preço de um plano de saúde?

Quando se pergunta quanto é um plano de saúde, a resposta sempre é: depende. São muitas as variáveis ​​envolvidas na precificação dos planos, pois cada um vai incluir diferentes coberturas geográficas e serviços a serem prestados. Quanto mais serviços inclusos, maior será o preço final a ser pago pelo consumidor. Da mesma maneira, uma cobertura mais ampla irá encarecer a contratação, pois uma operadora terá que garantir o acesso aos serviços contratados em mais locais.

Outros aspectos, como o tempo de carência necessária para a utilização do plano, também podem variar o preço final do contrato. Além disso, serviços similares podem variar de acordo com a operadora e região geográfica de contratação do plano, por exemplo, um dependente da estrutura que a empresa tiver na sua cidade. Por fim, existe também uma variação de preço segundo como faixas etárias, um sistema desenvolvido pela ANS para ser utilizado de maneira padronizada por todas as operadoras. Falaremos mais sobre ele no item seguinte.

O sistema de faixas etárias da ANS

Em 1999, com o estabelecimento da Lei dos Planos de Saúde, foram determinadas 7 diferentes faixas etárias para calcular é um plano de saúde em diferentes idades. Em 2004, a ANS lançou a Resolução Normativa nº63, alterando este sistema para 10 faixas etárias e fixando novas regras para a sua aplicação. Assim, os contratos assinados após 1999 devem obedecer a estas normativas.

Com este sistema de faixas etárias, um mesmo plano vai sofrendo reajustes de preço sempre que os beneficiários cruzam de uma faixa para a outra. Da mesma forma, como faixas influenciam o valor da contratação do plano: uma pessoa de 30 anos irá pagar um preço diferente do que uma pessoa de 50 anos pelo mesmo serviço. As faixas de idade em vigência são atualmente:

  • 0 a 18 anos
  • 19 a 23 anos
  • 24 a 28 anos
  • 29 a 33 anos
  • 34 a 38 anos
  • 39 a 43 anos
  • 44 a 48 anos
  • 49 a 53 anos
  • 54 a 58 anos
  • 59 anos ou mais

Este sistema se baseia no fato de que, conforme a idade avançada, é normal necessitar gradativamente mais de atendimento médico e consultas para manter a saúde. Assim, para manter o valor acessível e justo, o preço de um plano para uma criança ou jovem é bem inferior ao preço de um plano para um idoso.

No entanto, este aumento de custo não pode ser abusivo. O valor corrigido para a última faixa etária (59 anos ou mais) não pode ser superior a seis vezes o valor da primeira faixa (0 a 18), e a variação acumulada entre a sétima e a décima faixa não pode ser superior à variação acumulada entre a primeira e a sétima faixas. Assim, um plano para pessoas acima dos 30 anos pode variar muito entre uma pessoa de 32 anos e uma de 47, por exemplo.

Quanto é um plano de saúde para pessoas acima dos 30 anos?

Agora, vamos aos números: afinal, quanto é um plano de saúde para pessoas acima dos 30 anos? Para um indivíduo de 30 anos, é possível encontrar planos individuais a partir de R $ 180,00 por mês, ou de R $ 80,00 para planos empresariais. Para alguém de 47 anos, os valores partem de R $ 298,00 em planos individuais e R $ 143,00 em planos empresariais. Para beneficiários de 58 anos, o preço sobre para R $ 324,00 e R $ 246,00, respectivamente. Assim, é possível perceber uma grande diferença de valores base para a contratação dos planos.

Agora que você já sabe quanto é um plano de saúde para pessoas acima dos 30 anos, que tal pesquisar uma melhor opção para sua família? Entre em contato com a nossa equipe !

Categories
Planos de Saúde

Comparativo: qual é o melhor plano de saúde do Brasil?

Contratar um plano de saúde é um investimento para garantir o bem-estar – seja o seu próprio, dos seus funcionários ou o da sua família. Por isso, uma das dúvidas mais recorrentes de quem quer se tornar um beneficiário destes serviços é quanto à qualidade de cada opção disponível no mercado. Afinal, qual é o melhor plano de saúde do Brasil?

Atualmente, existem inúmeras operadoras oferecendo serviços de saúde por todo o Brasil, cada uma com várias alternativas de planos a escolher. Com tanta variedade, é compreensível a dificuldade enfrentada por muitas pessoas na hora de optar por uma empresa para contratar os benefícios.

Para ajudar você neste processo, montamos este comparativo com as principais operadoras do país, levando em consideração alguns critérios para a sua escolha. Estas empresas possuem boas notas na classificação oficial da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar), grande número de beneficiários e alta taxa de satisfação dos clientes. Além disso, oferecem serviços para a maior parte do território nacional, podendo ser contratadas em qualquer estado.

Confira a seguir nosso comparativo para descobrir qual é o melhor plano de saúde do Brasil e entenda como escolher o melhor serviço para a sua empresa ou família.

Qual é o melhor plano de saúde do Brasil?

Definir qual é o melhor plano de saúde do Brasil não é uma tarefa tão simples. Uma boa operadora deve ter boa cobertura de serviços, oferecer benefícios vantajosos, ter boa qualidade na prestação dos atendimentos, e deixar os seus clientes satisfeitos. Abaixo, você poderá ver um comparativo de 5 das operadoras mais bem recomendadas do território nacional, com ampla cobertura, grande número de profissionais credenciados e tradição de bons serviços.

Amil Saúde

A Amil é sempre citada quando se fala sobre qual é o melhor plano de saúde do Brasil. Ela oferece tanto planos individuais quanto empresariais, com muitas opções diferentes de planos disponíveis para ambas as situações. É conhecida por seus preços acessíveis, e é muito bem recomendada pelos seus beneficiários. Além disso, ela possui uma grande rede de profissionais e estabelecimentos credenciados a nível regional e nacional

SulAmerica

A quinta maior operadora do país, que também é uma das mais antigas do território nacional, possui uma estratégia diferente da Amil. Com opções reduzidas de planos, todos são de abrangência nacional e oferecem muitos benefícios especiais aos segurados. No entanto, só faz contratos para pessoas jurídicas, não trabalhando com planos individuais e familiares.

Unimed

A Unimed é uma das operadoras mais conhecidas do país, sendo responsável por 38% dos planos contratados no Brasil. Sendo uma rede de cooperativas, oferece grande variedade de serviços em planos individuais, familiares, empresarias e coletivos. Desta forma, possui um grande número de beneficiários e boa aceitação no mercado, com unidades espalhadas por todo o território nacional.

NotreDame Intermédica

Talvez você já tenha ouvido falar que a NotreDame é a operadora com mais opções de planos no Brasil. Ela possui uma rede própria de hospitais e centros clínicos pelo país, mas também conta com uma rede de credenciados bastante completa. A NotreDame é outra operadora que oferece serviços apenas para clientes com CNPJ, possuindo abrangência nacional e muitas categorias de planos a escolher.

Bradesco Saúde

Parte da Bradesco Seguros, a operadora Bradesco Saúde trabalha com planos do tipo empresarial. Por não possuir hospitais ou clínicas próprias, a Bradesco Saúde conta com uma grande rede de credenciados por todo o país, incluindo laboratórios, centros médicos, clínicas e hospitais.

Como definir qual é o melhor plano de saúde para mim?

Mais do que conhecer qual é o melhor plano de saúde do Brasil de acordo com os critérios da ANS e dos consumidores, é importante saber definir a melhor opção para as suas necessidades. Seja o plano individual, familiar ou empresarial, é essencial entender os principais requisitos de cobertura e de serviços para encontrar as operadoras que oferecem estes benefícios e avaliar as diferenças de custos entre cada uma delas.

Por exemplo, é fundamental checar se a empresa possui vários parceiros credenciados na sua cidade e se há uma central de atendimento local para tirar dúvidas. Além disso, compare os serviços oferecidos por cada uma, os tempos de carência exigidos, a cobertura em que você terá acesso a estas vantagens. Todos estes aspectos são de relevância no momento de escolher a melhor opção para você.

Qual é o melhor plano de saúde do Brasil para você? Já conhecia todas estas operadoras? Converse com a nossa equipe para descobrir ainda mais serviços para sua família ou o seu negócio!

Categories
Planos de Saúde

Os benefícios de um plano de saúde para família

É comum ouvirmos que a família é o nosso bem mais precioso. Assim, não é por acaso que o plano de saúde para família é um dos mais procurados no mercado: afinal, todos queremos cuidar e proteger de quem amamos, não é mesmo?

O plano de saúde para família oferece várias vantagens para os beneficiários, podendo cobrir desde consultas médicas, exames, atendimentos de urgência e cirurgias até procedimentos estéticos e internações diferenciadas, tudo a depender do plano escolhido. Estruturalmente, ele é similar ao plano individual, com a diferença no número de pessoas inclusas no contrato. Desta forma, enquanto o plano individual é um contrato feito para um indivíduo, no plano de saúde para família são estabelecidos dependentes que também serão beneficiados pelos serviços contratados.

Mas, apesar de entender que esta é uma aquisição importante para garantir a saúde e o bem-estar da sua família, muitas pessoas não ainda não sabem as reais vantagens de ter acesso a estes benefícios. Por isso, preparamos este artigo para explicar um pouco melhor o que você ganha ao contratar este tipo de serviço.

Veja a seguir os benefícios de um plano de saúde para família e garanta mais segurança e qualidade de vida para todos no seu lar.

Benefícios de um plano de saúde para família

Segurança

Infelizmente, todos estamos sujeitos a sofrer acidentes ou ser afligidos pelos mais diversos tipos de doenças. Enquanto podemos ter acesso ao atendimento gratuito oferecido pelos postos de saúde públicos, sabemos que o sistema está sobrecarregado e que existem filas enormes para a maior parte dos atendimentos e procedimentos – além, é claro, de ter que lidar com a burocracia do processo em caso de necessidade de uma cirurgia ou tratamento, por exemplo.

Por outro lado, os atendimentos particulares costumam ter preços exorbitantes, ao ponto de que um acidente ou doença na família pode comprometer todo o orçamento do lar e gerar dívidas imensas para manter a saúde da pessoa querida. Assim, o plano de saúde para família é uma “rede de segurança”, que garante o atendimento e tratamento médico tanto para casos simples quanto graves por um preço acessível.

Garantia de atendimento

Para atendimento pelo SUS, é necessário passar por duas filas: uma para conseguir agendar a consulta, e outra para ser atendido. Em atendimentos particulares, por outro lado, as filas costumam ser menores, mas ainda assim não há garantia de atendimento. Afinal, os melhores médicos costumam ser bastante requisitados e ter agendas cheias. Com um plano de saúde para família, você se beneficia de uma garantia por lei que estipula um prazo máximo de espera para ser atendido por um médico especialista.

Personalização do plano de saúde para família

Ao contratar um plano de saúde para família, é possível escolher entre várias opções disponíveis para definir a que melhor atende as especificidades do seu lar. Desta forma, você pode optar por diferentes tipos de internação, tempo de carência, inclusão ou exclusão de serviços – como obstetrícia e atendimento odontológico -, e equilibrar todos estes aspectos para que o plano caiba dentro do orçamento da família.

Coberturas para cada necessidade

Outra variável que vale a pena ser mencionada são as diferentes opções de cobertura. No momento da contratação do seu plano de saúde para família, é possível optar por ampliar a abrangência do plano ou escolher uma cobertura mais local, a depender dos seus hábitos. Se você costuma viajar muito a trabalho ou sair da cidade com a sua família com frequência, pode ser interessante estudar a possibilidade de garantir o atendimento em áreas maiores, para assegurar o bem-estar de todos mesmo quando longe de casa.

Opção de portabilidade

Você tem um plano de saúde para família e está muito feliz com os benefícios contratados. No entanto, ocorreu uma situação em que vocês precisam se mudar para outra cidade, que não está inclusa no plano contratado. E agora, a família terá que passar por novos períodos de carência durante a contratação de um novo plano?

Para isto, existe uma coisa chamada portabilidade. Na maior parte dos contratos, ela já é inclusa como uma cláusula padrão, e permite que você troque de contrato de plano de saúde sem cumprir novos períodos de carência ou de cobertura parcial temporária exigíveis, uma vez que já foram cumpridos no plano de origem. Isso pode ser utilizado tanto na contratação de um novo plano pela mesma operadora ou por uma diferente, mas também deve atender a algumas regras para que seja aplicado. De qualquer forma, é uma vantagem importante para o consumidor.

Você já possui um plano de saúde para família? O que achou das vantagens de ter um serviço destes à sua disposição? Conte para nós nos comentários abaixo!

Categories
Planos de Saúde

Como cancelar o plano de saúde após demissão do colaborador

Contar com os benefícios de um plano de saúde de qualidade por um preço bem abaixo do mercado é uma das grandes vantagens de trabalhar para uma empresa bem estruturada. No entanto, uma das maiores dúvidas das empresas que oferecem este tipo de planos coletivos para os seus empregados é o que ocorre com o plano de saúde após demissão.

Quando ocorre este tipo de desligamento, a empresa é obrigada a manter o ex-empregado no plano enquanto o benefício for ofertado para os outros funcionários. No entanto, esta obrigação não ocorre em qualquer situação, e possui algumas regras mesmo quando se aplica. Apesar disto, é preciso ter cuidado para não cancelar o benefício de forma indevida, pois isto pode ocasionar indenizações judiciais para a empresa.

Veja a seguir como funciona o cancelamento do plano de saúde após demissão e entenda o que a lei diz sobre este assunto.

O que acontece com o plano de saúde após demissão?

Se a demissão ocorreu por um pedido de desligamento por parte do funcionário, por justa causa ou por um acordo entre as duas partes, é realizado o cancelamento do plano de saúde após demissão. Neste caso, o empregado não tem o direito de permanecer no plano da empresa após o desligamento.

No entanto, se a demissão ocorre sem justa causa, a Lei dos Planos de Saúde (lei n° 9.656, de 2011) estabelece que o funcionário demitido tem direito de se beneficiar do plano por um prazo definido. Além disso, para continuar utilizando o plano da empresa, ele deve passar a arcar com 100% do valor das mensalidades, pagando integralmente pelo custo do seu plano e dos seus dependentes.

Este benefício só é garantido quando o funcionário também contribuiu para o plano durante o tempo em que trabalhou na empresa, e só é válido enquanto estiver em situação de desemprego. Se vier a ser contratado em uma nova empresa, o direito de permanecer no plano do antigo empregador é extinto. Da mesma forma, se a empresa era responsável por pagar o valor total do plano do empregado, o direito não é garantido.

Por que tempo o plano de saúde é mantido?

O plano de saúde após demissão tem prazo mínimo e máximo para ser utilizado pelo beneficiário desligado. A lei diz que o empregado tem direito de permanecer no plano por um terço do período em que trabalhou na empresa, mas limita o prazo do benefício em no mínimo 6 meses e no máximo 2 anos.

Assim, um funcionário contratado por apenas 1 mês tem direito se beneficiar do plano por 6 meses após o desligamento, sem a necessidade de envios eletrônicos. No caso de empregados que trabalharam na empresa por até 6 anos, a regra do período igual a um terço do tempo de serviço prestado se aplica. Entretanto, para os funcionários mais antigos, o tempo máximo do benefício é sempre 2 anos – tenham eles trabalhado na empresa por 7, 10 ou 30 anos.

O que acontece se a empresa cancelar o plano?

Depende da forma do cancelamento. A empresa não pode cancelar o plano de saúde após demissão de um funcionário, pelo menos não de forma isolada, sem correr o risco de pagar indenização. Ou seja, ela não pode negar ao funcionário demitido sem justa causa que permaneça se beneficiando do plano pelo prazo previsto em lei se ele demonstrar interesse em continuar com o benefício por conta própria. Por conta disto, ela deve comunicar o empregado do seu direito após a demissão, sendo que ele tem 30 dias de prazo a partir deste fato para informar que quer se manter no plano.

No entanto, se ele não apresentar formalmente o desejo de ser mantido no contrato, o benefício pode ser cancelado. Além disso, se o ex-empregador cancelar o plano de todos os profissionais vinculados ao contrato, como em caso de troca de plano ou operadora, o ex-colaborador não deverá ser incluso no novo serviço, mesmo que ainda não tenha vencido o seu prazo de permanência. Neste caso, ele perde o direito de manter o plano de saúde no momento em que ele é extinto.

Nem sempre é fácil para a empresa saber o que fazer com o plano de saúde após demissão. Se você precisa de assistência com as operadoras ou com os planos de saúde, entre em contato com a gente! A Compara tem uma equipe de profissionais preparados para ajudar você.

Categories
Planos de Saúde

Entenda o que é migração de plano de saúde

Você sabe o que é migração de plano de saúde? É normal trocar de plano de saúde algumas vezes ao longo da vida. Seja por sair de um plano empresarial, estar insatisfeito com os serviços da operadora atual ou buscar um plano mais vantajoso para a sua família, é comum passar pelo processo de troca de plano várias vezes com a passagem dos anos.

E, para facilitar a troca de contratos, existem várias maneiras de mudar de plano ou atualizar os serviços da sua operadora, como a portabilidade, adaptação e o próprio cancelamento, por exemplo. Neste artigo, vamos falar sobre a migração, um processo que ainda gera muitas dúvidas quanto ao seu funcionamento.

Assim, a Compara preparou este material para ajudar você a entender melhor os casos em que este tipo de processo de aplica, e quais são as suas principais regras. Veja a seguir o que é migração de plano de saúde e descubra se você pode utilizar este dispositivo para atualizar os serviços do seu contrato!

O que é migração de plano de saúde?

Se existem tantas formas de alterar os contratos de planos de saúde, o que é migração de plano de saúde, afinal?

Basicamente, o processo de migração permite a troca de um plano não regulamentado por um plano com contrato atualizado de acordo com as normas atuais. Esta troca é efetuada dentro da mesma operadora de saúde, e pode ser realizada por beneficiários de contratação individual ou coletiva por adesão.

Os planos individuais também são conhecidos como planos familiares, e são aqueles em que você mesmo procura a seguradora para assinar uma cobertura assistencial para si mesmo e para a sua família. Os planos coletivos por adesão, por sua vez, são aqueles contratados por uma associação de caráter profissional, classista ou setorial, e oferecidos por estas entidades às pessoas vinculadas para que possam aderir, se assim desejarem.

Desta forma, a única modalidade de planos de saúde que não pode efetuar a migração são os planos empresariais. Além disso, a migração deve sempre ocorrer dentro da mesma seguradora, pois é um processo de atualização do plano oferecido.

O que é um plano não regulamentado?

A Lei 9656/98, também conhecida como Lei dos Planos de Saúde, foi redigida em 1998 e entrou em vigor em janeiro de 1999. A partir dela, foram padronizados diversos regramentos e entendimentos para que os contratos e serviços oferecidos pelas operadoras de saúde não lesem o consumidor nem possuam cláusulas abusivas, garantindo o bom funcionamento dos planos.

Antes desta data, cada contrato de planos de saúde tinha uma redação própria com condições específicas para cada caso, existindo variedade de contatos, preços e restrições quanto aos serviços oferecidos pela falta de parâmetros legais definidos. Assim, os planos não regulamentados são os contratos assinados antes de janeiro de 1999, pois não estão de acordo com as exigências legais requeridas atualmente para a contratação de um plano de saúde.

Como é feita a migração?

A migração é feita através da celebração de um novo plano, com contrato regulamentado pela Lei 9656. A faixa de preço do novo plano deve ser igual ou inferior à que se enquadra o plano de origem, de acordo com a data de assinatura da proposta de adesão. Além disso, a migração permite que seja feita a troca de plano sem que seja necessário cumprir novos períodos de carência.

O direito de migração de plano de saúde é garantido ao responsável pelo contrato e a cada beneficiário autonomamente. Para fazer a sua migração, para dirigir-se até a sua operadora e levar o relatório de planos de saúde que são de tipo compatível para solicitar a sua proposta. A migração não pode ser feita para planos que estejam cancelados ou com comercialização suspensa, por exemplo. Na proposta, deve estar indicado que o contrato do novo plano de saúde entra em vigor na data da sua assinatura.

Você já sabia o que é migração de plano de saúde e como funciona este processo? Se está com dúvidas a respeito de planos ou precisa de ajuda para encontrar a melhor operadora para a sua família, entre em contato conosco! A Compara conta com uma equipe de especialistas preparados para ajudar você.

Categories
Planos de Saúde

Valor do plano de saúde Unimed no segundo semestre do ano

Ter um bom plano de saúde é sinônimo de segurança para a família. No entanto, é um investimento mensal que pode pesar no bolso, e por isso é importante contar com uma operadora de confiança e credibilidade. Neste artigo, vamos falar sobre o valor do plano de saúde Unimed e vários detalhes importantes para ajudar você a contratar um bom serviço.

A Unimed é o maior sistema de cooperativas do mundo, contando com 345 cooperativas e 116 mil médicos cooperados. Atualmente, já são mais de 17 milhões de usuários que se beneficiam dos serviços oferecidos pelos planos. Além disso, são mais de 2 mil hospitais credenciados para atendimentos e 126 hospitais próprios, feitos exclusivamente para receber os clientes Unimed.

Dá para ver que é uma empresa com experiência e que conta com a confiança do mercado. Mas qual o valor do plano de saúde Unimed? Há muita variação de preço entre os planos? Como o custo muda ao longo do tempo?

Vamos ver a seguir um pouco de como funciona tudo isso e falar sobre o valor do plano de saúde Unimed. Confira.

Os planos da Unimed

Uma das grandes vantagens de contratar a Unimed é a variedade de planos. Por ser um sistema de cooperativas tão grande, são oferecidos inúmeros tipos de planos diferentes, que satisfazem às mais diversas necessidades. A Unimed oferece tanto planos individuais, ou familiares, quanto coletivos, que são os planos empresariais.

No entanto, os planos também variam bastante de acordo com os serviços inclusos em cada faixa de preço. Por estes motivos, o valor do plano de saúde Unimed pode oscilar bastante entre uma região e outra, e a depender da cobertura necessária para cada família ou empresa.

Como é estabelecido o preço de um plano?

Como explicado anteriormente, o preço de um plano reflete a quantidade de facilidades oferecidas. Além dos serviços inclusos, a cobertura geográfica e o tipo de internação também são fatores importantes a considerar no custo de um plano.

O valor do plano de saúde Unimed para serviços regionais e com atendimento ambulatorial, por exemplo, será bem diferente do preço de um plano com cobertura nacional e internação em apartamento individual. Por isso, é importante ponderar quais são as reais necessidades da sua família antes de contratar um plano. A diferença de valores pode ser bem expressiva, e muitas vezes não há motivo para investir em um plano mais completo.

Outro aspecto que impacta bastante o preço de um plano é a idade do beneficiário. No sistema regulamentado pela ANS, os usuários são divididos em 10 faixas etárias diferentes, sendo que a cada faixa o valor base do plano sobe. Assim, um mesmo plano custará menos para um beneficiário de 25 anos do que para um de 50, por exemplo.

Valor do plano de saúde Unimed

Por envolver diversas variáveis, é difícil aproximar o valor do plano de saúde Unimed sem saber das especificidades de cada caso. No entanto, podemos estimar alguns valores base oferecidos para que você tenha uma ideia de como funciona.

Para um plano individual básico, o preço para uma pessoa na faixa de 19 a 23 anos normalmente parte de R$420,00 por mês. Um plano empresarial para alguém da mesma idade já é bem mais em conta: a partir de R%200,00 por mês.

Para um indivíduo entre 34 e 38 anos, o valor sobe para em torno de $500,00 por mês para um plano individual, e R$240,00 para um empresarial. Na faixa de 49 a 53 anos, os valores vão para próximo de R$1000,00 e R$520,00, respectivamente. Entre as 10 diferentes faixas etárias consideradas para os ajustes de preço, o valor pode variar em até 500%.

No entanto, como mencionado anteriormente, os preços podem ser muito diferentes a depender da região e cobertura de cada um. Se você está interessado em entender melhor o valor do plano de saúde Unimed, entre em contato conosco. Estamos preparados para ajudar você a escolher a melhor opção de plano de saúde para a sua família.

Você já conhecia como são formados os preços dos planos de saúde? O que achou do valor do plano de saúde Unimed? Deixe o seu comentário para nós nos campos abaixo!